domingo, 2 de setembro de 2018

sábado, 1 de setembro de 2018

1 de Setembro

gosto deste mês, gosto de recomeços, de rotina. há 20 anos, este mês foi (já não me lembro mas aposto) muito muito feliz; trouxe-me a maninha que eu tanto queria e que me fez fazer desenho após desenho na creche, de carrinhos de bebé. gosto de Setembros. este não sabe a recomeços porém, é o primeiro que vem e não traz a azáfama da escola com ele. ando a tentar perceber o que fazer no meio desta incógnita toda. à noite, quando fecho os olhos, vejo sempre coisas muito feias. sempre tentei distrair-me delas, fugir para o telemóvel ou algo que as fizesse esconder de novo. mas comecei a ver que encará-las é melhor, que lhes tira o poder e as revela como monstros, sim, mas monstros que estão apenas lá, inofensivos. e isso é uma lição importante para mim, desconstruir. tornar as coisas mais conhecidas, mais simples de perceber. e quando se percebe, se sabe, o medo deixa de ser tanto.

I myself have always found that if I examine something, it's less scary. I grew up in the West, and we always had this theory that if you saw - if you kept the snake in your eye line, the snake wasn't going to bite you. And that's kind of the way I feel about confronting pain. I want to know where it is. 
— Joan Didion

continuo a sentir muito a falta da Estónia. não sei se estou assim tão melhor aqui como pensava. tenho saudades de escrever e vi que só o posso fazer se, bem, se o fizer. se me forçar a fazê-lo durante uns tempos pode ser que comece a ganhar-lhe o gosto. sei bem que o Bukowski diz que se for forçado não vale a pena, que se for forçado é merda. mas vou deixar de ligar tanto ao que os outros dizem.